figueirense


Gol de Schwenck contra o Vasco

Reação do Figueirense é notável

 

Após a partida contra o Vasco, nesta terça-feira, o torcedor alvinegro pode bater no peito, com verdadeira esperança, e afirmar que tem um time que, sim, está entre os mais cotado a subir para a elite – o que tem grande chances de acontecer. A realidade do Figueirense sofreu uma reviravolta impressionante desde a chegada de Márcio Araújo, antes do técnico chegar e até mesmo após a derrota para a Portuguesa em sua estreia, o Figueira estava distante do G4, a torcida desacreditada e a mídia praticamente descartando a ascensão do alvinegro. Até que então, com uma mudança inacreditável de postura. Neste post farei uma análise de quais são os motivos desta mudança do alvinegro.

(mais…)

Pesquisando acerca do novo contratado do Figueirense, o jovem Halleson Tiago Barbosa Honorato, o “Philco”, me deparei com uma informação um tanto curiosa (mais…)

Dando uma olhada nos blogs do Figueirense, passei pelo Sempre Figueira e vi ali uma ideia muito interessante para os torcedores opinarem e terem seu espaço devidamente valorizado – uma boa maneira de integrar leitores e blogueiros.

A seção “Recados de Voz” do blog em questão (clique aqui para acessar), que se diga de passagem está com um layout muito legal e vale a pena ser visitado e acompanhado – eu o faço -, dá a oportunidade dos torcedores do alvinegro mais querido e maior clube do Estado de mandarem um recado de voz, através de uma ferramenta, onde é explicado também como usá-la, comentando o jogo, dando seus pitacos tático, podendo fazer avaliações individuais entre outras coisas. O espaço lá é seu, torcedor!

Após dar uma olhada no FigueiraCast (clique aqui para acessar), do Meu Figueira, que já é uma referência no que diz respeito a áudios do Figueirense, além do evidente pioneirismo, tive a ideia de mandar um Recado de Voz também. Ficou um pouco longo, o recomendável é não ser deste tamanho, mas como uma inauguração desta seção do blog, creio que ficou legal.

Como forma de prestigiar este fato, aqui no blog ao invés da costumeira avaliação digitada da partida, com os pontos positivos, negativo e avaliação individual de cada jogador, desta vez será feita com o áudio que enviei para o blog Sempre Figueira. Inclusive “roubarei” a ideia de separação por temas de assuntos abordados como faz o FigueiraCast que é uma excelente ideia, com os devidos créditos hehe.

Recado de VozMatheus G., blog Sangue Preto e Branco

Assuntos abordados, em ordem:
0:00 – Apresentações
0:37 – Formação
4:18 – Oscilação de desempenho
5:42 – Substituições
9:45 – Avaliações Individuais
20:54 – Mudanças no time sem Roger
24:20 – Despedida e recomendação


É isso aí galera, grande abraço!

Como falei no áudio, discordem (afinal é apenas uma opinião deste blogueiro que não é o dono da verdade), concordem, postem suas opiniões tanto aqui como no Sempre Figueira e não deixem de mandar seus comentários em áudio na seção Recado de Voz, recomendo! Participe!

No dia 27 de junho, no caso neste sábado, teremos o jogo mais esperado do ano, contra a equipe mais tradicional da Série B.

Mas não é por isso que o jogo é tão importante. Disputaremos, mais uma vez, uma partida de seis pontos contra um candidatíssimo à subida para a primeira divisão. Muito apontam o Vasco, inclusive, como o principal time favorito ao título da Segundona.

Além disso, vimos de uma vitória contra o Paraná que recoloca o nosso time na luta e, para consolidar essa redenção, nada melhor que uma vitória contra o poderoso Vasco. Esta seria uma maneira mais do que clara que o Figueirense, sim, veio para subir. Sem contar que não podemos deixar que os adversários diretos somem pontos em nossos domínios, como fez a Lusa e o Guarani.

Para isso os blogueiros alvinegros convoca você, alvinegro, para participar desta batalha contra a forte equipe do Vasco. A vitória, mais do que nunca, é importantíssima e para ela vir o Figueira necessita da sua presença no estádio, apoiando e incentivando os jogadores.

NOTAS DO FIGUEIRENSE

Será que, pela primeira vez na Série B, o Roberto Fernandes botará uma formação igual à de outro jogo? Claro que a culpa não é do mesmo, haja vista que pela primeira vez teremos todos os jogadores a disposição. Repetiremos o 4-4-2 com Pedrinho e Fernandes na meia? Difícil afirmar e para ser sincero não sei se seria a opção mais correta. É uma situação muito difícil a de RF. Podamos o apoio integral dos bons alas transformando os mesmos em laterais no esquema 4-4-2 ou liberamos os dois utilizando três zagueiros e, com isso, perderemos um meia ou até mesmo um volante? Ao utilizar dois volantes, eu optaria por Paulinho que tem uma visão defensiva mais acentuada que Alê.

Utilizar um 3-5-2 sacrificando Pedrinho? O meia enfrentará o clube que o revelou. Pedrinho estará com fome de bola. Não seria irresponsável tirá-lo justamente nestas condições? E mantendo o jogador em campo, tiraríamos um dos volantes deixando apenas Roger na marcação? Não ficaria sobrecarregado com meias como Léo Lima, Alex Teixeira e Carlos Alberto pressionando? Difícil…

E Toninho? O jogador era o homem da confiança de RF na zaga. Com as boas partidas de João Filipe e o xerife Régis querendo manter uma boa sequência, quem sairá? Acho que esse é um dos pontos que reforça a escolha do técnico pelo 3-5-2. Lembrando que Rafael Lima, dispensado, está fora do Figueira e Perone está lesionado. Carlinhos e Dieyson devem reforçar o banco.

Será que Roger voltará a atuar de salto alto? Sua última partida foi boa, mas contra Atlético-GO o jogador achou que era Beckenbauer. Queria sair com estilo da defesa e acabou, de maneira preciosista, originando chances claras de gol para o adversário. Também perdeu um gol claro tentando inventar. O capitão é um volante muito bom mas tem que botar a cabeça no lugar. Por que falo isso? O jogador sofreu forte assédio de um clube italiano e pode estar de malas prontas para o exterior.

De certezas tenho duas: o Figueirense complicará a vida cruzmaltina com as bolas paradas e o craque Fernandes estará em campo. Roberto Fernandes treinou bastante, durante a semana, esta jogada e alguma novidade acerca de jogadas ensaiadas devem pintar. Lembrando que o Figueirense tem uma bola aérea muito boa. Já Fernandes, que ditou um novo ritmo ao alvinegro na última partida, volta a campo neste sábado – outro atrativo para o torcedor.

O Figueirense vai para esta partida com quatro jogadores pendurados. São os casos de Wilson, João Felipe, Anderson Pico e Rafael Coelho. A não ser Pico, todos os outros são pilares importantíssimos na espinha dorsal do time alvinegro e não poder contar com qualquer um dos três contra o Bahia, fora de casa, seria muito ruim.

NOTAS DO VASCO

O Vasco está há mais de sete horas, dentro de campo, sem marcar gol. Tentando quebrar um jejum de quatro jogos sem vitórias, os cariocas que eram taxados, no ínicio do ano, como uma possível segunda edição do Corinthians de 2008, tentam arrancar uma vitória que não veio desde que foram eliminados da Copa do Brasil com um time muito ofensivo. Roberto Fernandes havia salientado no início da Série B que o Vasco nem de longe teria a facilidade do time paulista e mostrou estar certo. Lembrando também que o Vasco tem a melhor defesa da competição, levando apenas três gols, todos na partida contra o Paraná em que muitos titulares foram poupados.

Enquanto Figueirense tem quase nenhum desfalque, Dorival terá muitos, alguns na zaga. O bom zagueiro Gian, um dos únicos que se safou da fraca campanha do Ipatinga no ano passado, está machucado e Titi, ex-Náutico, após um certo desconforto entre ele e o técnico Dorival Júniro, volta a equipe em que era titular, com sede de jogo. Vilson, titular, formará a zaga junto com ele.

Com dois volantes e dois meias, o Vasco vem ofensivo em um 4-4-2 ousado. Com laterais ofensivos, volantes marcadores mas que sabem sair para o jogo, como Nilton, e dois meias de muito poder ofensivo, Alex Teixeira, que pode cair no ataque, e o encrenqueiro Léo Lima, o Vasco vem para cima. É uma faca de dois gumes. Por um lado temos que nos precaver na marcação e por isso temo apenas um volante. Por outro nossos contra-ataques de velocidade, puxados por Roger, João Filipe, Lucas, Egídio e Rafael Coelho, tornam-se fulminantes.

No ataque uma formação inédita: Carlos Alberto e Robinho. Com os desfalques das principais forças ofensivas vascaínas – Pimpão, maior goleador do Vasco no ano, machucado e Elton, o homem de referência na área, suspenso pelo STJD, Dorival Júnior adiantará CA e estreará a promessa Robinho. Outro jogador que poderá entrar em campo é Alex Teixeira. Philippe Coutinho estará no banco. Achei isso excelente, haja vista que Pimpão não atuará e Carlos Alberto perderá um pouco de seu poder criativo que tanto vem dando certo no Vasco da Gama. O ataque será bastante agudo, de velocidade e habilidade.

Paulo Sérgio, ex-Figueirense, e o bom jovem Ramon aprontam bastanta nas laterais. Paulo Sérgio costuma encomodar na bola parada e, como a Prancheta do Bottós afirmou: “ficou muito mais sólido depois de sair do Figueira”. Do outro lado, Ramon está se destacando tanto que, logo, pode sair da Colina. É bom esperarmos uma briga intensa nas laterais.

Dorival Júnior conseguiu um efeito suspensivo e conseguirá guiar os cariocas no banco de reservas. O treinador havia sido punido pelo SJTD por ofensas ao árbitro mineiro André Luiz Martins em São Januário contra o São Caetano.

DADOS DO CONFRONTO

O jogo deste sábado é o vigésimo na história contra a equipe vascaína. Foram 15 jogos pelo Brasileiro, quatro amistosos e uma partida pelo Triangular Imprensa. A vantagem no total é dos cariocas com sete vitórias, 10 empates e três derrotas. Todavia, o Vasco está há três anos sem vencer o Figueira. O último triunfo cruzmaltino foi em 2006 em um jogo pra lá de roubado – Schwenck estava naquela partida e marcou – com aquele gol contra infeliz de Vanderson.

Em 2007, dois empates e, em 2008, duas vitórias do Figueirense. O jogador que mais fez gols contra o Vasco é justamente um ídolo do vasco – Edmundo que marcou três vezes naquele fatídico 5 a 1 em dezembro de 2005. Paulo Sérgio, hoje no Vasco, foi o jogador que mais enfretou seu atual time com a camisa alvinegra ao lado de Bilu. A última partida entre os dois times foi em 4 de outubro de 2008 com uma goleada do Figueira por 4 a 2 em pleno São Januário.

SECAÇÃO ALVINEGRA

De agora em diante teremos uma nova seção no Prognóstico em Preto e Branco – a secação alvinegra. Nela selecionaremos as partidas mais importantes do alvinegro na rodada, analisando quais são os resultados mais favoráveis ao alvinegro e você, torcedor, fará a sua parte: secará para facilitar nossa subida rumo à Série A.

Para estrear esta seção de maneira sucinta, vamos aos jogos que já aconteceram e suas análises:

Jogos da terça-feira:

  • Ipatinga 0 x 1 Fortaleza: Os nordestinos fizeram um favor ao Figueirense ao vencer o Ipatinga, candidato à Serie A. O time mineiro continua na nossa frente, mas basta um empate para passarmos.
  • América-RN 1 x 2 Ponte Preta: O melhor resultado seria um empate, com ele poderíamos passar das duas equipes de uma vez só com uma vitória simples. Mas pelo menos o América não ganhou, senão distanciaria por demais.

Jogos de sexta-feira:

  • Guarani 1 x 0 São Caetano: O bugre mostrou que é um candidato sério. Será que é cavalo paraguaio? Se for será um excelente enganador, pois acaba de bater recorde com a melhor arrancada de toda história da Série B. Pegou o São Caetano, que é uma baba. Caso o azulão vencesse os índios não se distanciariam tanto na ponta da tabela.
  • Juventude 1 x 1 Vila Nova: O empate foi um bom resultado. O Vila Nova não poderia vencer, senão ficaria inalcansável nessa rodada e o Juventude não pode começar a crescer pois é time de chegada.

Jogos de sábado:

  • Duque de Caxias x Bahia: EMPATE. Caso ocorra uma vitória de qualquer um dos dois, nem com vitória os passamos. Senão basta vencer que passamos os dois de uma só vez.
  • Bragantino x Portuguesa: EMPATE ou VITÓRIA DO BRAGANTINO. O melhor seria um empate, para que nenhum dos dois suba muito. Todavia, o pior resultado é a vitória da Lusa, caso ocorra não a ultrapassamos na rodada.
  • Atlético-GO x ABC: VITÓRIA DO ABC. Qualquer outro resultado e o Atlético-GO torna-se inalcansável. Difícil, mas vamos secar!
  • Paraná x Brasiliense: VITÓRIA DO PARANÁ. É um resultado que acho bem possível. Mesmo com isso não passaremos o Brasiliense mas é bom para deixá-lo perto na pontuação, eles tem 14 e nós 10.

Caso ocorram estes resultados e o Figueirense vença o Vasco por qualquer resultado terminará a oitava rodada na quarta colocação – no G4. Lembrando que, em verde, estão os jogos em que o resultado deve ocorrer para que o Figueirense possa terminar a rodada no G4.

Para motivar o torcedor alvinegro, nada melhor que a supracitada goleada por 5 a 1 do Figueirense, com um show de Edmundo, em 2005. Bom jogo, torcedor alvinegro!

ps: Fazendo uma homenagem à lenda do pop, Michael Jackson, que nos deixou nessa semana e que agora está do lado de ícones da história da música como Elvis Presley, Jim Morrison, John Lennon, George Harrison, Frank Sinatra, Jimmy Hendrix, Janis Joplin, Ian Curtis entre outros, posto aqui um clip do mesmo demonstrando que, sim, ele tinha uma pontinha alvinegra: Black or White – Michael Jackson. Roberto Carlos usa azul e branco? MJ usava preto e branco.

Quem acompanhou o futebol brasileiro na Libertadores da América nesta quinta-feira, dia 19, véspera de jogo do glorioso, teve uma lembrança marcante e emocionante, uma espécie de dèja-vu. Duvido que alguém que assistiu à partida no Morumbi entre São Paulo e Cruzeiro não pensou igual a mim.

Pra começar, tínhamos do lado cruzeirense personagens conhecidos do torcedor alvinegro, Marquinhos Paraná, atleta veterano que despontou para o futebol em campos catarinenses jogou muita bola, sendo o jogador mais disciplinado táticamente do time. Outro personagem foi Adilson Batista, excelente técnico, se não o melhor que já passou por aqui, que sabe como montar um elenco e conduzi-lo à vitória, trouxe ao chegar no clube celeste jogadores do alvinegro que depositava confiança, como, além do supracitado volante, Soares, Andrey e outro atleta – um que desequilibrou a partida desta noite.

Henrique Pacheco de Lima, 24 anos, volante, jogou no Figueirense de 2005 a 2007, vindo do Londrina Team, time voltado às categorias de base, de lá vieram também Soares, Diogo, entre outros valores. Ele é o autor de um dos gols que mais comemorei na vida, talvez menos que o do Abimael e do Cleiton Xavier contra o Botafogo, também na Copa do Brasil em 2007. Sim, aquele petardo no ângulo que calou o Maracanã em plena final da segunda maior competição do Brasil foi fruto dos seus pés, aquela emoção, aquela alegria, aquela esperança que contagiaram o coração de todos os torcedores do Figueirnse no mundo foram todas proporcionadas por esse jovem talento.

Hoje a noite, o lance do primeiro gol do Cruzeiro que garantiu a classificação para a fase semi-final, quando enfrentará o Grêmio, do principal campeonato das Américas, foi, muito semelhante àquele gol que tantos alvinegros arrepiou – também sua culpa. Ao invés de Cleiton Xavier rolar para o chute, desta vez foi o lateral Jonathan que o fez. Não balançou as redes de Fernando Henrique e sim de Dênis. Foi um pouco mais de perto, um pouco menos bonito. E por último, não foi com uma camisa preto e branca, mas sim com uma feia e azul do Cruzeiro. Apesar de todas essas diferenças, o gol sim muito parecido.

Arrepie-se você também lembrando esse gol que estará para sempre na história do Figueirense, comparando-o com o de hoje. Pode ser uma motivação para, se possível, o nosso Figueira voltar a dar alegrias como nestes tempos de glórias:

Perguntava-se o porquê do Figueirense jogar melhor fora de casa, onde até então tínhamos a melhor campanha nesta condição com uma vitória sobre o ABC e um empate contra o Ceará.

A resposta que consigo achar para essa pergunta, devido a um fato que logo vou explicitar, é a seguinte: a torcida alvinegra está muito impaciente. Obviamente não estou botando a culpa do Figueirense estar nesta situação na torcida alvinegra, afinal é justamente ela a parte que mais sofreu nestes últimos meses.

A torcida alvinegra está sofrida, irritada, nervosa, tudo com motivos extremamente plausíveis e ela eu não posso culpar, até porque faço parte dessa massa que também está indignada. Com o rebaixamento para a Série B, com a perda do título catarinense para o maior rival e, agora, por estar penando já com quatro rodadas sem vitórias, ninguém está com paciência para nada, no estádio essa realidade é eminente.

Uma torcida que é considerada impaciente pela mídia em geral é a do Palmeiras. Tentando arranjar uma analogia lógica entre as duas torcidas pude notar que ambas sofreram jejuns longos de títulos até chegarem a um momento de glória, onde cada um exerceu supremacia, guardando as proporções.
O time do Parque Antarctica ficou quase 17 anos sem vencer o Paulista entre as conquistas de 1976 e 1993. O Figueirense também passou por um período de 20 anos sem títulos, de 1974 a 1994. Os dois times após esse período de “vacas magras” passaram por épocas de muitas glórias. O verde e branco conquistou três estaduais, um bi Brasileiro além da sonhada Libertadores da América, exercendo uma forte supremacia, enquando do outro lado, o Alvinegro subiu para a primeira divisão, conquistou seis títulos catarinenses em 10 anos, comandando totalmente o futebol de Santa Catarina, sem contar vice-campeonato da Copa do Brasil e a sétima colocação na Série A de 2006.

Ambos os times acustumaram-se a uma situação de títulos, de glórias, superiores aos rivais. Obviamente nunca dura para sempre e os dois sofreram revéses. Tanto o Figueirense quanto o Palmeiras foram rebaixados, o Palmeiras em 2002, Figueirense em 2008. A torcida do Palmeiras ficou mais impaciente do que nunca desde então, com razão. Agora a alvinegra passa por situação parecida e não engole mais nada, também com razão. Para uma torcida que se acustumou com anos de glória e comendo caviar, agora fica complicado aturar derrotas na Série B comendo goiabada cascão. Ninguém aí notou a diferença na atitude da torcida alvinegra do ano de 2001, por exemplo, para agora? A acomodação e a impaciência são eminentes.

Mas por que falo isso? Nessa semana que passou, vários jogadores alvinegros deram declarações parecidas, tocando no mesmo assunto: a impaciência da torcida. Schwenck foi o primeiro, dando uma satisfação ao torcedor do “mais querido”, pediu paciência e calma à torcida alvinegra, afirmando que crucificar Pedrinho, ele mesmo ou qualquer outro jogador, não é a saída. Tocou no fato de que o Figueirense tem que ser igual a uma família, que quando está em um momento ruim precisa-se de apoio, no caso do torcedor.

Pedrinho foi outro que dedicou grande parte de sua coletiva a esse fato e dando uma declaração interessante quando afirma que, até mesmo antes de iniciar a partida contra o Guarani, o mesmo já era ofendido. Levantou o fato de que muitas vezes direciona-se uma crítica a certo jogador sem analisar a partida corretamente, pedindo para a torcida parar com perseguição, afinal faz os jogadores entrarem em campo desmotivados: “não é porque eu tenho 31 anos que eu não perco a confiança, que eu não sinto medo (…) então quando eu tento um drible e acabo perdendo a bola e eu sentindo que a torcida não tem paciência comigo, para eu dar o segundo drible já é mais difícil”.

Régis também entrou em outro mérito, pedindo para a torcida apoiar os 90 minutos e não vaiar neste período. Pediu que, caso queira vaiar, pegar no pé de algum jogador, que o faça após o término da partida, afinal isso é uma atitude que atrapalha e muito o time e com certeza nenhum torcedor do Figueirense quer atrapalhar o time que ama. É um ponto que eu sempre martelo aqui no blog e saindo da boca de um jogador do Figueirense fica cristalino que essas atitudes estão sim refletindo dentro de campo e, sim, estão atrapalhando o time que já entra em campo nervoso e, com o decorrer da partida, fica acanhado com medo de fazer uma jogada e até mesmo menos confiante ao fazer um passe.

Por isso peço, no espaço que tenho, para que o torcedor tenha mais paciência e deixe a corneta em casa. Dou razão e entendo a impaciência e a irritação dos torcedores, afinal também sou um que está indignado, sofreu e sofre com tudo que já aconteceu nestes últimos meses e quase quebrou a televisão no jogo contra o Atlético-GO, mas deixando um pouco do emocional de lado e partindo para o racional, fica claro analisar que criticarmos, vaiarmos, xingarmos os jogadores durante o decorrer da partida é uma atitude que compromete a atuação dos mesmos, que ficarão nervosos, inseguros e com, consequentemente, atrapalharemos o Figueirense como um todo, que com certeza não é o que eu e você queremos. Sei de como a torcida está “imputecida” com o Bruno Perone, o Luciano Totó, o Roberto Fernandes entre outros, mas analise comigo: se eles estiverem em campo, estarão vestindo a camisa do time que amamos, certo? E suas atuações refletirão diretamente no futuro do alvinegro que amamos, correto? Refletindo no futuro do Figueirense Futebol Clube, também refletirá no nosso bem-estar, no nosso humor, na nossa vida. Temos uma ligação de coração com esse maravilhoso clube. Então, apesar da falta de qualidade seja de quem for que estiver em campo, vamos deixar para criticá-los, vaiá-los, ou seja qual for a atitude que queiramos fazer, quando a partida acabar, como bem falou o filósofo Régis, pois se formos pensar bem, veremos que, desta maneira, não estaremos atrapalhando nem o Figueira e nem a nós mesmos.

Era isso…

Grande abraço, torcedor alvinegro!

PONTOS NEGATIVOS

  1. O rendimento abaixo da média dos destaques do time. Wilson, o melhor jogador do elenco alvinegro, falhou justamente no momento crucial do jogo – quando já tínhamos marcado o primeiro a reação era eminente. Rafael Coelho, artilheiro até então da Série B, perdeu um penalti que conquistaria um ponto heroico. Roger perdeu várias bolas no preciosismo, inclusive uma que gerou o terceiro gol do Atlético, além de ter inventando quando o correto era emender uma bomba para o gol e empatar o jogo. Até João Filipe e Lucas, revelações do alvinegro, foram muito abaixo do que podem produzir.
  2. A questão emocional do time. Como já falei em outros comentários, o Figueirense fica completamente perdido quando sofre uma revés. Foi assim contra a Lusa ao levar o segundo gol, contra o Guarani – após o tento do Bruno Aguiar -, e ontem após levar o primeiro. Antes disto o time estava organizado e tentando criar algo, após foi um desastre. Pelo menos, pela primeira vez, voltamos mais concentrados e muito bem em campo para o segundo tempo, todavia o ímpeto foi cessado com o frango do Wilson. Falarei sobre isso mais para a frente.
  3. O esquema 4-4-2. Daqui a pouco perco as contas de quantas vezes questionei esta formação no Figueira. Não dá certo! Os laterais são muito ofensivos e deixam um corredor, apenas os dois zagueiros lá atrás não dão conta, ainda mais Perone que só rende no 3-5-2 por ter uma maior proteção e proximidade. O excesso de volantes e a escassez de meias não dá certo. Totó não rende nem no ataque nem na proteção. Alê não é muito efetivo em ambas as coisas, sendo um pouco melhor no apoio mas não é o cara da ligação. Roger, recuado, ajudou menos ainda por estar em uma tarde ruim. Pedrinho ficou isolado pelo lado do campo enquanto apenas Egídio lutava para armar alguma coisa. Assim não dá!
  4. A falta de criação do time. Já falei acima, mas vale a pena relembrar – Pedrinho isolado com Alê sendo o homem de ligação zaga-ataque não dá certo! Para o blog, Paulinho e Roger seriam uma melhor dupla, por seres consistentes na defesa e melhorarem tal ligação com uma boa qualidade, de Paulinho no passe e de Roger na arrancada. Assim Pedrinho teria de quem receber a bola e, somando o apoio dos dois laterais, teríamos uma criação excelente – no papel é claro, nada é tão simples.
  5. Os corredores nas laterais. Que Egídio e Lucas são muito voluntariosos e pouco efetivos na defesa é fato. São alas e não laterais. Com dois zagueiros, ainda mais dois lentos como os utilizados sábado, fica um deus-nos-acuda! Totó é péssimo na proteção e comete muitas faltas, mesmo caindo para proteger o lado esquerdo aberto por Egídio, e Alê é mais ofensivo. O lado que era da jurisdição de Roger até foi melhor protegido nas subidas de Lucas. Com três zagueiros e dois volantes bons na defesa e que sabem apoiar satisfatoriamente – o caso de Paulinho e Roger – o time, espero, deve melhorar.

PONTOS POSITIVOS

  1. Fernandes de volta! Sim, depois de três anos, lá está ele! Não vou iludir a todos e afirmar que Fernandes mudou o jogo da água pro vinho, não serei cego nem exagerado, mas deu uma boa cadenciada no jogo, um toque de maior qualidade e, acima de tudo, demonstrou seu amor pela camisa alvinegra. Não acho que o mesmo deve jogar o jogo inteiro, com certeza não, pois está visivelmente fora de ritmo ainda, mas para o segundo tempo quem deve entrar em campo é alguém de maior velocidade e não de qualidade como Fernandes. Deve ser lançado aos poucos. Espero que ele os demais jogadores demonstrado toda a sua superação e amor pelo Figueira.
  2. A reação no segundo tempo. Apesar de freada pelo frango do Wilson, fazia tempo que não via o Figueirense buscando alguma coisa apesar de começar com um resultado adverso. Geralmente o time fica apático e facilmente batido – foi assim no primeiro tempo todo após levar o primeiro gol. Desta vez, do intervalo, voltamos com raça e disposição. Creio que se Wilson não engole aquela poderíamos ter vencido o jogo, mas foi uma ducha de água fria em todos.

AVALIAÇÃO INDIVIDUAL

  1. Wilson: quando o nosso goleirão não atua bem em um jogo quer dizer que o time todo foi muito abaixo da média e foi exatamente o que aconteceu. Apesar do frangaço que, sim, interferiu diretamente por ser em um momento crucial, Wilson fez alguns dos seus milagres para tentar compensar o erro. Não deixou de ser um goleiro espetacular e não merece crítica.
  2. Lucas: o jovem talento alvinegra pela segunda vez consecutiva não atuou como nas últimas partidas. É uma realidade, pois estava atuando bem sendo o destaque do time a algum tempo, mas neste último jogo foi pouco acionado e quando teve a bolas nos pés não foi tão eficaz. Atuou abaixo da média.
  3. João Filipe: o zagueirão deu uma baita arrancada no primeiro tempo, tem qualidade, mas fez uma apresentação também abaixo da média. Cometeu erros bobos e faltou aquele bicão em alguns momentos.
  4. Bruno Perone: o jogador mais criticado de 2009 não atuou bem, mas ficou, ao meu ver, de igual para igual com João Filipe. Salvou algumas chances claras de gol, mas foi responsabilizado por dois dos gols adversários. Não vi desta maneira, no primeiro gol a culpa não foi sua, no segundo poderia ter cortado a bola de cabeça, todavia não foi um erro eminente. Não é o jogador para ser titular, não é bom jogador, mas está sendo o pára-raio do time. Qualquer coisa, para a torcida, é culpa do Perone.
  5. Roger: outro dos destaques que não atuou bem. Arrisco a dizer que fez sua pior participação com a camisa alvinegra juntamente do jogo contra a Ponte Preta na Copa do Brasil. Foi preciosista em alguns lances, tanto na defesa quanto no ataque, o que deixou a torcida irada. Falhou no lance do terceiro gol e poderia ter empatado o jogo em um lance. Precisa botar a cabeça no lugar, entretanto devemos reconhecer que é um jogador acima da média e que, sim, é titular absoluto na posição de segundo volante.
  6. Egídio: foi um dos melhores em campo pelo lado alvinegro. Fez uma partida inferior à contra o Guarani, devido a atuação cretina do time inteiro. Por tentar demais, ter muita personalidade e não se esconder do jogo, cometeu alguns erros. Bem no apoio, correu o campo todo e em garantindo sua titularidade, todavia ganha muitas bolas nas costas, tamanho seu ímpeto ofensivo.
  7. Luciano Totó: o volante fez uma partida péssima. Até agora não mostrou muita qualidade – não é rapido, não sabe dar o bote corretamente e erra muitos passes. Seu lado de proteção da zaga, o esquerdo, foi por onde surgiram as principais chances do time goiano. Paulinho é superior a ele e, para a posição de zagueiro, sou mais Carlinhos.
  8. Alê: novamente não foi bem. Como Roger não estava em uma boa tarde, ficou em seus pés a criação do time com Pedrinho deslocado como se fosse um ponta pelo lado esquerdo e Alê já mostrou que não é a dele. Roberto Fernandes precisa ver que esse não é o caminho. Pelo menos começou a jogada para o segundo gol.
  9. Paulo Sérgio: o garoto mal tocou na bola e fica difícil uma avaliação.
  10. Pedrinho: tentou mais que nos demais jogos, fez a segunda melhor partida com a camisa do Figueirense, apenas inferior a sua estreia, mas mesmo assim está longe do ideal. Ficou isolado e precisa ter mais a bola em seus pés na frente da área e não deslocado para a lateral, como um ponta. Como o mesmo falou, precisa de uma sequência, mas até agora não correspondeu o investimento. Ainda quero ver mais jogos do experiente jogador para tecer uma opinião definitiva.
  11. Rafael Coelho: foi, juntamente de Egídio, o melhor jogador em campo pelo lado de Santa Catarina. Fez praticamente toda a jogada do primeiro gol e sofreu o pênalti graças à sua qualidade. Infelizmente, apesar de não ter batido mal, perdeu a cobrança.
  12. Schwenck: apesar das constantes críticas, novamente marcou vindo do banco. Parece ser o elemento surpresa do time, pois quando vem da reserva marca. Schwenck faz gol e isso ninguém pode negar, pena perder outros tantos. Porém, neste jogo foi muito bem.
  13. Fernandes: a esperança alvinegra, depois de 13 meses afastado, finalmente voltou ao time. Entrou e deu uma maior tranquilidade e cadenciada na equipe que estava indo para o abafa. Apesar da notada falta de ritmo e lentidão, mostrou aquela qualidade no passe e raça. Força meu guri!
  14. Clodoaldo: a grande maioria o critica, mas não vejo meios para tal. O jogo dele é dentro da área, lá sabe marcar, mas novamente não teve chances.

Roberto Fernandes: 4-4-2 não da Roberto! Desiste! Muito menos com Totó caindo pelo lado da defesa! Perone, infelizmente, foi o zagueiro a ser utilizado na falta de Toninho, Régis e Roger Carvalho, mas espero que, com todos em condições, seja banco – mas ele não rende com dois zagueiros! Pedrinho tem que ficar mais centralizado, com as jogadas de ataque passando pelos seus pés, vindas de trás com Paulinho, que tem qualidade no toque e Roger – só que com a cabeça no lugar. Não vejo que errou tanto como na partida contra o Ceará e a contra a Lusa, mas tem que parar de insistir com o 4-4-2! Porque os resultados não vieram e com as invenções nas partidas supracitadas, RF está perdendo a credibilidade com a torcida.

Próxima Página »