O time desacreditou em Rene Weber

Pra mim tá mais que claro que a culpa do momento é do técnico.

O time do Figueirense não tem padrão tático, não tem uma estrutura em campo, tramas ofensivas organizadas, uma defesa encaixada e estruturada. É um aglomerado em campo, a defesa não tem uma organização nas bolas áreas, toda bola é um problema. As laterais são uma avenida e o técnico, teimosamente, insiste em prendê-los como laterais, ceifando sua capacidade ofensiva e, também, sofrendo com bolas nas costas, principalmente de Lucas que apoia mais. É um cada um por si e todos sabemos que individualmente não se consegue nada no futebol. Além dos problemas táticos, também temos problemas de motivação e com qualquer técnico a opinião seria a mesma, após essa sequência de jogos qualquer time apenas decai de rendimento, devido a um elenco desacreditado, vide PC Gusmão em 2008.

É inclusive complicado avaliar jogadores na situação que estamos. O time todo está mal, não há um jogador que se destaque com exceção de WILSON, afinal ele não precisa de um treinador para fazer seu papel, não depende de ninguém. Se colocar Fernandes junto aí em campo não vai conseguir nada sozinho. Nomes como Roger Carvalho, João Filipe, Lucas que já provaram ter qualidade, não tem uma sequência de bons jogos. Jogadores com boas referências como Jean Carioca, Jr. Negrão, William, Marquinho não conseguem boas atuações, apenas algumas. Será que o time todo que não serve, afinal todos estão mal, ou é o técnico que não consegue fazer o time jogar?

No início, criticava-se jogadores em específico como motivo das más exibições alvinegras. Primeiro foi Ernane, o mesmo foi afastado por Rene Weber, também Marquinho, outro criticado, foi junto. Depois chegou a vez de Coutinho, onde torcedores defendiam a presença de Diego Paulista e Jean Carioca. O esquema com apenas um atacante foi veemente criticado e o treinador foi lá e transformou em 4-4-2. Tudo de acordo como a torcida gostaria e isso deve ser levado em conta, coerentemente na visão de Renê e sua defesa. Entretanto, essa foi apenas mais uma prova de que o problema principal não é o elenco, os jogadores que compõe o time, e sim o treinador e o que ele faz o time realizar, ou não, em campo.

Tá me lembrando 2007, que o time estava muito mal e com a entrada do Mário Sérgio mudou muito. Mesmo com o Mário Sérgio entrando ainda terminamos em uma colocação péssima, apesar do técnico ao retornar de uma apendicite ter feito uma boa campanha no estadual. Lembro que na época o Victor Simões era comido vivo pela torcida, com razão, porque estava muito mal antes do Mário chegar e transformá-lo em ídolo. Não estou aqui defendendo o MS, afinal ele era técnico com prazo de validade, motivador de curto-prazo.

Acho que a prova disso tudo está na zaga. Ali fica mais que claro. Todos sabemos da capacidade dos nosso zagueiros e qualidade de ambos eram inquestionáveis antes de começar o catarinense por exemplo e creio que isso continua. Foram jogadores que todos queriam a renovação. E agora? Nossa zaga está péssima. Toda bola na área é um Deus-nos-acuda. Não tem organização, não tem nada. Uma buraqueira dos diabos. Por acaso os jogadores desaprenderam a jogar? Aí está o dedo do técnico. Quem organiza a zaga é ele, quem aplica seu estilo de defesa é o próprio, cada um tem o seu. A mudança do técnico é primordial.

Antes de começar o campeonato era praticamente unânime que a montagem do elenco era superior à dos anos anteriores. Basta comparar a de 2009: zaga era Bruno Perone e Bruno Aguiar (João Filipe e Roger Carvalho são superiores); William Matheus e Davidson (João Paulo e Lucas são bem melhores); Ricardo e Roger (apenas Roger é melhor que Jeovânio e Diego Paulista); Rafael Ueta e Juninho (piores que Maicon e Jean Carioca) e no ataque RC e Schwenck (aí sim, melhores que William e Jr. Negrão, mas Nicácio, que está para vir, é melhor que Shrek). O elenco, para mim, é razoável, melhor que montado em 2009 e, como todo ano, encaminhando reforços nas partes fracas e dispensando perebas poderiam ter boas chances para a Série B. Eu não consigo queimar jogador e dar pitacos definitivos em um time sem padrão tático e com um técnico de mentira.

Não estou aqui dizendo que o time é uma beleza no papel. O time é limitado, mas pode fazer mais do que vem fazendo atualmente. Muito mais. Tem um elenco razoável, bons nomes para mim temos alguns para serem titulares  na Série B (a defesa toda somados a Fernandes e até mesmo William entre outros que podem mostrar mais com outro técnico, assim como foi com Marquinho em 2008) como todo começo de temporada do alvinegro é. Mas superior, como já falei, ao do ano passado o que acabou por se tornar um grande time com o fim dos estaduais e posterior Série B que tem mais mercado. Somando bons nomes para posições carentes poderia se tornar um bom time com chances.

Outro fato que para mim foi bem claro quanto a falta de comando do técnico é a intranquilidade do time. Até Maicon, que é um jogador mais calmo e cadenciado, saiu dando pontapé nos jogadores do Metrô, Marquinho entrou um pouco menos pior que os demais jogadores, mas logo já foi expulso ao acertar um tapaço no tal do Deleu, por nervosismo novamente. Os jogadores não confiam mais no técnico, o caos tático e emocional já está vigente no alvinegro – a mudança de técnico após essa partida torna-se primordial para qualquer intenção alvinegra no campeonato.

Inclusive para o clássico agora, um fator novo é muito benéfico, lembrando da estreia de Roberto Fernandes, que quase, com um time muito ruim, venceu o bom Avaí de 2009 e até mesmo quando Heriberto da Cunha acabara de ser demitido, em 2007, e Figueirense até então numa das últimas colocações do catarinense, empurrou 3 no Avaí.

Anúncios